Traição não tem perdão (conto romantico)

Maria Fernanda tinha 25 anos de idade e era apaixonada por Douglas, más ele não dava valor a isso. Ao contrário, quanto mais ela dizia que amava ele, mais ele tratava ela mal.

As vezes ele falava na cara de Maria Fernanda que não gostava dela, mais ou menos assim:

– Eu não sinto nada por você Maria Fernanda, porque você ainda quer namorar comigo?

Então Maria Fernanda respondia:

– Más eu te amo. E eu não me importo se você não gosta de mim. Porque com o tempo você pode aprender a me amar.

Quanto mais ele dizia pra ela que não gostava dela, mais ela dizia que o amava.

Maria Fernanda sonhava com a sua lua de mel com Douglas. Contudo ele não parecia estar preparado para ter um compromisso serio.

Já fazia três anos que eles namoravam. Más Douglas não queria mais namorar com ela. Só que ela não largava do seu pé e ele, por conta própria, não conseguia terminar com ela, porque ela era muito bonita e ele não tinha coragem.

Desta forma ele resolveu que faria Maria Fernanda sentir raiva dele.

Assim, em uma noite, depois que voltavam de um restaurante ela deixou o cigarro cair no banco do carro.

Naquele momento o pior que tinha dentro dele saiu para fora e ele falou aos gritos:

– Você é burra por acaso?

E então ele deu um murro na costela dela.

Maria Fernanda jogou o cigarro fora e começou a chorar falando:

– Você está louco?

Assim ela saiu do carro e entrou para dentro de casa chorando.

Naquele momento ele ficou feliz pelo que fez, pois ele tinha conseguido se livrar dela. Agora ela nunca mais conversaria com ele. E era justamente o que ele queria.

Lógico que seria muito mais fácil se ele explicasse para ela que não queria mais ela de forma alguma. Mas o problema é que Maria Fernanda era muito bonita e por isso ele não conseguia.

No outro dia, que era domingo, ele acordou, almoçou e foi lavar o carro, quando o celular tocou. Ele atendeu e era Maria Fernanda.

– Oi Fernanda. – Ele disse.

– Oi Douglas. – Disse ela. – Vamos no show hoje?

Então ele ficou pensando durante alguns segundos. Era impressionante, más mesmo depois que ele bateu nela, ainda assim ela continuava gostando dele.

O pior é que Douglas não conseguia dizer não para ela. Maria Fernanda praticamente controlava ele.

– Está bem. – Ele respondeu – As oito horas eu passo na sua casa.

No outro dia, como combinado Douglas pegou ela em casa, e quando Maria Fernanda entrou no carro a primeira coisa que disse para Douglas foi:

– Nunca mais faz aquilo de novo viu? Porque eu não gosto. – Dizendo isso ela beijou-o na boca.

Maria Fernanda estava mesmo apaixonada por Douglas, pois mesmo depois de levar um murro ela ainda continuava gostando dele.

Durante o caminho Fernanda olhava Douglas dirigir. Então ela pensava:

– Você é tão lindo.

Foi então que ela percebeu que ele estava totalmente calado e não dava a mínima para ela.

– Porque você está assim? – Perguntou Maria Fernanda.

– Atoa. – Respondeu ele – Não estou muito animado.

– Ainda está bravo porque eu derrubei o cigarro no banco do seu carro?

Então ele respondeu:

– Estou bravo sim.

Ela completou:

– Eu vou parar de fumar então. Para compensar. O que você acha?

– Pra mim tanto faz. – Respondeu Douglas.

Naquele momento ela começou chorar.

– Porque você me trata assim?

Douglas respondeu:

– Olha Maria Fernanda. Eu já disse que não gosto de você. Eu até bati em você, más ainda assim você me liga chamando para sair?

Então Fernanda falou:

– Se não queria sair comigo era só dizer que não queria. Só isso.

Assim, ele pensou um pouco e falou acariciando o rosto dela:

– O problema é que eu não consigo. Você é muito linda, e simpática, me trata muito bem, por isso eu não consigo dizer não quando você me chama.

Ela enxugou as lagrimas e falou:

– Eu não entendo, então porque você insiste em falar que não gosta de mim?

– Não sei Fernanda, más acho que tem algo errado. Parece que a única coisa que sinto por você é desejo e nada mais do que isso. Não parece ser amor verdadeiro.

– Eu não me importo. – Disse Maria Fernanda. – Porque eu te amo de qualquer jeito. E eu também sinto desejo por você.

Douglas não falou mais nada e eles permaneceram em silencio até chegar na fila para atravessar o rio. Então desceram um pouco do carro até a balsa voltar para pegar mais veículos para atravessar.

Neste intervalo de tempo algumas amigas de Fernanda chamaram ela para conversar.

Ela saiu por um momento e deixou Douglas sozinho.

Foi então que ele notou que as pessoas que estavam atrás deles na fila eram conhecidos.

– Oi Andressa. – Ele falou para a moça.

– Oi Douglas – Disse ela se aproximando.

Assim ele se juntou ao pessoal enquanto aguardava o retorno de Fernanda.

Andressa lhe apresentou cada um daqueles que ele não conhecia. Diogo, Ronaldo, Sheila e Carla.

Douglas notou, de imediato, que Carla o olhou com interesse, por isso deu um jeito de estar mais próximo dela para conversarem.

Douglas conversou com Carla e durante este tempo ela foi bebendo e ficando cada vez mais alcoolizada.

– Quer cerveja? – Ofereceu Carla.

– Obrigado. – Respondeu Douglas – Más eu não bebo.

Neste momento Maria Fernanda voltou. Ele se despediu do pessoal e foi encontrar-se com Maria Fernanda.

Maria Fernanda então perguntou:

– Quem era aquela que você estava conversando?

– O nome dela é Carla. – Respondeu Douglas – É amiga da Andressa, uma amiga minha de infância.

Maria Fernanda então continuou:

– Minhas amigas conhecem a Carla e me disseram que ela é garota de programa.

Então ele olhou para Carla novamente e falou:

– Não parece que ela é garota de programa.

Fernanda completou:

– Deve ser porque ela está de folga.

Naquele momento Douglas não agüentou e começou a rir.

– Você quer ficar com ela? – Perguntou Maria Fernanda.

– Eu não. – Respondeu Douglas. – Se esqueceu que somos namorados?

Maria Fernanda continuou:

– Ela está olhando para você. E pelo jeito, basta que você faça um convite pra ela, que ela nem vai cobrar nada de você.

Então ele abraçou Maria Fernanda e falou:

– Deixa de ser boba Fernanda, se for pra mim trair você não será com uma prostituta.

Ao dizer isso Douglas tentou dar um beijo em Maria Fernanda que se esquivou.

– Não quero Douglas.

– Porque não? – Indagou espantado.

– Eu quero ter certeza que você gosta de mim de verdade. Caso contrario eu vou largar você.

Quando Maria Fernanda falou em largá-lo Douglas sentiu um impacto em seu peito. Por algum motivo ele não queria isso. Não sabia porque, más ele não queria que ela parasse de gostar dele.

– Está bem. – Respondeu – Então vamos dar um tempo.

– Sim. – Concordou Maria Fernanda – Más tem uma coisa, se eu descobrir que você saiu com aquela prostituta ou com qualquer outra mulher, eu nunca mais vou olhar na sua cara. Compreendeu?

– Sim. – Concordou ele.

Desta forma Maria Fernanda foi embora junto de suas amigas e Douglas voltou para o grupo.

Agora que Douglas estava de volta Carla, a garota de programa, perguntou:

– Quem era ela?

– Minha namorada. – Respondeu Douglas.

– Vocês brigaram?

– Não exatamente. – Ele disse – Vamos dar um tempo.

Carla bebeu um gole de cerveja e falou:

– Que bom saber disso. – Assim ela sorriu.

Neste momento Douglas perguntou para Carla.

– Ouvi falar que você é garota de programa. É verdade?

Ela gargalhou e respondeu:

– Você é bem direto. Adoro isso! Eu era garota de programa sim. Más já faz alguns meses que eu parei.

– Porque parou? – Perguntou Douglas.

– Não quero mais. Acho que serei mais feliz se encontrar um homem bacana para namorar e casar. Assim como você por exemplo.

Douglas, então continuou interrogando com curiosidade:

– Porque você se tornou garota de programa?

Carla pensou um pouco e respondeu:

– Acho que me tornei garota de programa porque na época eu gostava disso, era uma espécie de vicio. Mas hoje já não penso mais assim. Acho que me cansei, quero ser uma mulher comum.

Douglas pensou um pouco e falou:

– Interessante isso. Coisa de maluco, más interessante. Minha namorada foi quem comentou isso comigo. Ela disse que as amigas dela comentaram com ela quando nos viram conversando.

– Por isso deram um tempo? – Perguntou Carla.

– Não foi por isso não. Já faz tempo que isto estava prestes a acontecer. Más eu acho que de certa forma até ajudou a minha namorada a tomar esta decisão porque ela disse assim pra mim: “Vai lá, é só você convidar ela que ela nem vai cobrar nada de você.”

Carla sorriu de novo e falou:

– E não vou cobrar mesmo.

Douglas continuou perguntando:

– Faz quanto tempo que você não sai com clientes?

Carla pensou um pouco e falou:

– Faz três meses que não saio com homem nenhum.

Douglas sorriu:

– Pra quem é viciada isso é muito tempo.

Carla sorriu também:

– Você nem imagina, mas esta noite eu vou matar a minha vontade com você.

Douglas sorriu:

– Você é engraçada.

Carla se aproximou de Douglas e disse colocando a mão em seu peito:

– Eu estou falando serio. Já estou prontinha, pode fazer o que quiser comigo.

Douglas empurrou ela bem devagar e disse:

– Nós estamos apenas dando um tempo, para todos os efeitos ainda somos namorados.

Carla então bebeu um gole de cerveja e falou:

– Vamos ver até onde você agüenta.

Lá no show eles ficaram todos juntos e Carla ficou oferecendo-se o tempo todo para Douglas. Más lá dentro ele se lembrava das palavras de Maria Fernanda e sentia medo de ela realmente o largar e parar de gostar dele.

Por isso ele comentou com Carla:

– Eu sei que você esta se oferecendo para mim. Más o problema é minha namorada.

– Você gosta dela. – Disse Carla.

Ele pensou um pouco e respondeu:

– Acho que não.

– Então qual é o problema? – Perguntou Carla.

– Ela gosta muito de mim. – Disse Douglas. – Eu tenho que valorizar isso.

Carla então, se aproximou dele. Colocou os braços sobre seus ombros, e abraçando-o falou:

– E se eu te disser que também estou gostando de você?

Ele pensou e respondeu:

– Aí eu vou ser obrigado a duvidar.

– Só porque eu fui garota de programa no passado?

– Exatamente. – Respondeu Douglas – Você disse que está viciada em ficar com vários homens por dia. E eu, quando estou com uma mulher, gosto de ser o único.

Carla olhou um tempo para a boca de Douglas e falou:

– Eu entendo porque a sua namorada gosta tanto de você, viu. – E depois o beijou.

Contudo ele não retribui o beijo.

– Porque não me beija? – Continuou Carla.

– Sabe. – Ele disse – Eu até quero te beijar. Más é que eu não posso largar uma mulher que me ama de verdade, e principalmente fiel, para ficar com uma que vai me utilizar por uma noite e depois jogar fora. Compreende? Se for para ficar com outra mulher, tem que ser uma igual a Fernanda ou melhor do que ela.

Carla o abraçou com força e falou:

– Más eu posso ser melhor do que ela, é só você me dar uma chance.

– E como você poderia ser melhor do que ela? – Perguntou Douglas.

Quando Douglas perguntou como Carla poderia ser melhor do que Maria Fernanda, ela não hesitou em responder:

– Sendo totalmente fiel a você, de corpo e alma.

Ele retirou os braços dela de cima de seu ombro e falou:

– Não é o suficiente.

– Como não?

Ele respirou fundo e falou:

– Eu não acredito em você.

Quando Douglas disse isso, começou a escorrer lágrimas dos olhos de Carla que falou:

– Até hoje nenhum homem foi tão exigente comigo, do jeito que você está sendo. Geralmente só me usam como se eu fosse um objeto. Outros homens já teriam me levado para o carro a muito tempo.

– Você deveria selecionar melhor os homens que você sai. – Respondeu ele.

– Pois eu estou selecionando agora neste exato momento. – Disse Carla – E estou escolhendo você.

Assim ele limpou as lagrimas dos olhos dela, acariciou seu rosto com as costas da mão e falou:

– Você é linda sabia?

– Obrigado. – Respondeu Carla.

Logo em seguida ele disse:

– Então vamos tentar.

Quando ele falou isso o rosto de Carla mudou totalmente e ela o abraçou falando:

– Estou apaixonada por você.

Em seguida ela o beijou com energia. Desta vez ele retribui e a abraçou com força.

Lá dentro ele pensava assim: “Depois eu digo para Fernanda que estava testando o meu amor por ela.”

Depois que o show acabou vários conhecidos entraram dentro do seu carro para pegar carona. Foi neste momento que Carla levantou a voz:

– Estão loucos? Todo mundo pra fora. Vocês vão todos de ônibus. Neste carro só vai eu e o Douglas.

Logo o carro ficou vazio e ele comentou:

– Você é uma pessoa ruim Carla.

– Você nem imagina. – Respondeu ela.

Eles ficaram mais ou menos umas duas horas na fila esperando a vez de atravessar o rio. Neste intervalo de tempo deu para conversarem sobre muitas coisas.

Quando chegaram do outro lado do rio, desceram da balsa e iniciaram o caminho de retorno.

Contudo, neste momento, Carla comentou:

– Pode entrar com o carro ali se você quiser. – Disse ela apontando para uma entrada que levava a um local escuro e escondido.

Então Douglas pensou um pouco e falou:

– Olha, eu sei o que você quer, más eu acho melhor não. Me desculpe, mas eu acho que estou gostando da Maria Fernanda.

Carla olhou para ele com uma expressão triste e falou:

– Queria que um homem gostasse de mim desta forma.

No outro dia Douglas se levantou e a primeira coisa que pensou foi:

– Eu te amo, Maria Fernanda!

Ele se arrumou e ligou para Maria Fernanda combinando de ir na casa dela depois do almoço para conversarem.

Ele iria se declarar para ela. Dizer que a amava!

Assim, quando estavam frente a frente, Douglas foi o mais sincero possível:

– Sabe Fernanda, ontem eu fiquei com a Carla.

– Eu vi vocês dois juntos. – Disse Maria Fernanda.

– Pois é. – Ele falou – E enquanto estávamos juntos eu percebi que na verdade eu amo você.

Maria Fernanda parecia fria, Douglas achou que ela iria ficar feliz ao ouvir ele dizer isso. Más sem expressividade ela perguntou:

– Vocês transaram?

Douglas respondeu imediatamente e sem pensar:

– Não.

Então ela continuou:

– Você acha mesmo que você vai me bater, me machucar, fazer sexo com uma puta qualquer na rua, depois vai mentir para mim dizendo que não fez nada, e eu vou acreditar e voltar a namorar com você como se nada tivesse acontecido?

Douglas não sabia o que responder, por isso a única coisa que veio na cabeça dele foi:

– Eu não fiz sexo com ela, Fernanda. Eu juro!

Então ela balançou a cabeça e sorriu sinicamente como se não acreditasse no que estava ouvindo.

Assim ela levantou a mão com muita delicadeza e mostrou o dedo do meio falando:

– Vai se fuder Douglas!

E entrou, batendo o portão na cara dele.

Naquele momento Douglas sentiu como se o seu coração encolhesse dentro do peito. Não podia acreditar que tinha acabado de perder uma mulher tão maravilhosa.

Autor: Jefferson Ulisses

Category: Contos:, Romanticos  Tags:
You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. Both comments and pings are currently closed.

Comments are closed.

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.