Author:
• sábado, dezembro 20th, 2014

Observo as águas correndo lentamente
nelas, vão também meus sonhos engarrafados
flutuando na correnteza…

Levando pra longe em forma de mensagem
traçada meticulosamente
na ilusão da realidade,
idoneamente visto num horizonte descorado.

Segue rolando abaixo
sob o meu olhar distante, aterrador,
onde a solidão se esconde no sorriso.

Tento em vão encontrar as cordas inexistentes
que despertarão no círculo de pensamentos
centralizado no abstrato,
o mistério envolvente do ser.

Sem limites pela rota do caminho
querer alguém que possa
libertar este passado,
que leio nos astros, nos rastros
que vacilam querendo ir
e sem chegar aonde…

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. Both comments and pings are currently closed.

Comments are closed.