Author:
• sábado, dezembro 20th, 2014

Escrevo em teu corpo como se fosses meu papel. Desenho em tua pele. Na ponta dos meus dedos levo as tintas com que te envolvo, no meu olhar a luz com que te ilumino. Resvalam na textura da tua tez as sombras dos teu contornos, suaves curvas que acaricio como se construísse em ti um novo corpo.

Murmuro-te as sílabas que teu corpo absorve, imprime e exibe, como um livro entre-aberto que me apetece desfolhar. Conto-te histórias de encantar, que tomas em teus poemas como pedaços meus que levas. Falo, projetando no vento os sons de uma canção que está por inventar, e tu, dás-lhe a música para quem a quer cantar, encantar.

Dos fios dos teus cabelos escorrem as cores que te dão vida, obra de arte divina, pedra perdida em pleno oceano. Levas tatuado no corpo, a minha voz, e as recordações de um passado misterioso que apenas nós sabemos interpretar, ao ler, diretamente da tua alma, os segredos escondidos em tão íntimo momento.

Nasce a obra, inventada entre nós, corpo de mulher, abraço adormecido em meu colo. Mulher madura que te recolhe, te abraça na sombra desta eternidade, que nos absorve as almas e nos faz uma da outra para sempre

Category: Incógnita, Poetisas  | Tags:
You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. Both comments and pings are currently closed.

Comments are closed.