Author:
• terça-feira, dezembro 23rd, 2014

No quarto semi-obscuro,
Com o olhar te procuro…
Estás tão linda a repousar,
Teu alvo corpo, banhado de luar…
Dormes, alheia e pura,
Sem saber que te procura, o meu olhar…
Que a te adorar, se imobiliza…
Devagar desliza… devagar…
A sono solto,
Tens o corpo envolto
Em rendado baby-doll.

E no colo, ainda,
Tens a cor infinda do calor do sol.
Descansa no travesseiro,
Um rosto calmo e faceiro.

E com encanto tamanho,
Sedoso e belo teu cabelo castanho.
Mas, acordar-te, receio…
Fico do quarto ao meio,
Fitando teu belo seio,
Que leve… leve a arfar,
Ora se esconde,
Ora se banha de luar…
Deito ao teu lado e reflito…
– Mas não durmo, estou aflito…
De cá para lá, me agito
–Adivinhas meu desejo,
Acordas… e com um beijo,
Me dizes tão docemente:
Estiveste muito tempo ausente
…………………………………………
O primeiro albor de sol,
Ilumina o baby-doll,
Abandonado no chão…
E se derrama sobre ti
Que dormindo, ainda sorri,
Estreita ao meu coração!

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. Both comments and pings are currently closed.

Comments are closed.