Author:
• quarta-feira, dezembro 24th, 2014

Se sou poeta? Sei lá se sou,
Só sei que penso com o coração
E que quando escrevo me dou
Por uma paixão incontida
Que faz do meu peito a guarida
Dos sentimentos do mundo.

Sou amante, mas sou guerreiro
Diante da flor e diante da dor,
Por amor até morro primeiro,
Contra a injustiça miro meu brado,
Armo o soldado com as palavras
Com a indignação ao meu lado.

Cavalgo na trilha dos versos,
Com a poesia eu batalho
Sem pejorar, mas acusando,
Não recuando, apenas avanço,
Sopeando sempre o perverso
Universo de iniqüidades
Onde verdades são grandes mentiras,
Onde o perfeito se revela falho,
Onde a fome é um atalho
Pelo qual a morte encurta a vida,
Onde essa vida tem senhores,
Onde a hipocrisia, com favores,
Limpa a ferida, mas deixa as dores.

Se sou poeta é meu verso que diz,
Falando de amor para além dos desejos,
Talvez até uma imensa utopia,
Mas enquanto houver uma vida vazia
Eu não serei um poeta feliz.

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. Both comments and pings are currently closed.

Comments are closed.