Author:
• quarta-feira, dezembro 24th, 2014

A soleira da porta, eu toquei,
por três vezes,
e fui chamado de volta,
ah! de volta fui chamado
por três vezes!

O meu próprio pé era lento
indulgente era com meu espírito!
Muitas coisas, muitas vezes,
eu falei… eu falei
e como se me afastasse,
dei-lhe o derradeiro
beijo.

Enfim, por que a pressa?
Roma deixo,
Cítia é para onde sou enviado,
devo deixar
a Cidade:
as duas, justas esperas.

Enfim, por que me apressar?
Sem demora, deixo
do meu discurso,
as palavras inacabadas,
abraçando com meu espírito partido
todas,
todas as pessoas mais amadas.

Sou dividido
tal como se me privassem
dos meus membros!
Pareceu-me que
uma parte de mim mesmo,
do corpo, foi arrancada,
e, neste momento,
explode o gemido,
explode o brado,
o brado e o gemido
dos meus entes
mais queridos!
Meus punhos tristes
feriram o meu peito nu!

Neste momento, partido
e partindo, enlaçando-se
aos meus ombros,
minha esposa misturou
às lágrimas
estas palavras tristes:
“Tu não podes, de mim, ser tirado!
Juntos, ah! sim, juntos
iremos.
Seguirei-te! Seguirei-te!
E serei
a esposa do exilado.

Para mim o caminho
está consumado,
a longínqua terra me tem!
Acrescentar-me-ei
como insignificante bagagem
ao funesto navio
que parte, que se perde
no salgado rio;
a ira de César ordena
que te afastes da pátria,
Piedade de mim! Piedade!
O imperador será pio comigo, amor!”
Tais coisas ela tentava
assim como antes tentara,
mas, com dificuldade,
deu as mãos vencidas pela utilidade
de, em Roma, permanecer,
em busca da imperial piedade.

Permanecer
não me é permitido.
Devo partir.
Parto, mas este sofrimento
deveria ser suportado
sem dor.

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. Both comments and pings are currently closed.

Comments are closed.