Author:
• quarta-feira, dezembro 24th, 2014

Ela veste vestido negro,
E ninguém percebe.

Ninguém vislumbra,
O lado sombrio que oculta,
O peito que lateja por nada,
O frio vazio de sua alma.

Dama dos versos noturnos,
Que perdeu o pranto um dia,
Ao se vê num beco sem saída,
Ao cair nas garras do mundo.

Não tens calor em tua vida,
Não tens a luz do dia,
Não amas ninguém,
Apenas aqueles que o bolso tem.

Tua beleza de longe encanta,
Ao coração do carente um perigo,
Lábios derretendo em batom vermelho,
Coração que não é de ninguém.

Dama de curvas sinuosas,
De coxas por muito deliciosas,
Teu corpo pertence a quem?
A aqueles que o bolso tem.

Dama de pele veludosa,
Macia, doce e cheirosa,
Tua pele pertence a quem?
A aqueles que o bolso tem.

Dama dos dias de hoje,
És comum nos caminhos da vida,
Não tens o amor de ninguém,
Neste mundo em que o bolso é rei.

O amor hoje em dia é loucura,
O casamento sem respeito, sem ternura,
Neste mundo em que o bolso é rei.

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. Both comments and pings are currently closed.

Comments are closed.