Author:
• quarta-feira, dezembro 24th, 2014

Noite dama suprema das estrelas
Embebida de claridade em teu longo vestido
Que veste quando o sol se cansa dos humanos.
Ainda bem que existes, princesa da escuridão,
Mãe dos poetas, bálsamo de ilusão.

Noite fiel companheira e silêncio
Respeitosa inclina-te ao som das cachoeiras
E ao vôo da coruja sentinela;
Contemplo-te de meu átrio risonho
Ou do encosto de minha janela.

Noite avatar de minha inspiração
Em teus cabelos negros mergulho
Num mar de paz e contemplação;
A ti espero, a ti quero
Para escrever com alma e coração.

Category: David Roballo, Home, Poetas  | Tags:
You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. Both comments and pings are currently closed.

Comments are closed.