Archive for the Category ◊ Home ◊

Author:
• quarta-feira, janeiro 07th, 2015

romance_662712

Se eu pudesse descrever a beleza dos teus olhos e enumerar teus atributos em épocas vindouras… diriam: o poeta mente! A Terra jamais foi acariciada por tal toque divino.
(William Shakespeare)

Category: Home  | Tags:  | Comments off
Author:
• quarta-feira, janeiro 07th, 2015

Aos meus amigos e visitantes deste site, digo que nenhum poema aqui postado são de minha autoria.

Gosto muito de poesia e procurei reunir nesse site todos os poemas que leio e gosto.

O nome dos autores dos poemas/poesias ,ficam em categorias. Caso algum dos autores tenham o link para que eu posso direcionar para a página,pode enviar para o e-mail do site, que terei o prazer de colocá-los.

Obrigado! a todos os autores dessas lindas obras aqui postadas.

Category: Autoria, Home  | Comments off
Author:
• quarta-feira, janeiro 07th, 2015

 

frases

Se alguém te perguntar o quiseste dizer com um poema, pergunta-lhe o que Deus quis dizer com este mundo… (Mário Quintana)

Quando o cinza de um dia taciturno bate dentro da gente, sentimos uma dor gostosa, como a melodia dos poetas. Num instante sentimos um prazer calmo e solene. Se isso ocorrer com você um dia qualquer, não faça por menos, curta esse dia minuto a minuto, não se envergonhe, nada é ruim se você se enquadra na sua felicidade. Calce a poesia e ande. (Paulo Baleki)

Só os poetas podem condensar a experiência humana, e isso não passa pelo intelectual. (Fayga Ostrower)

Qualquer hora é hora de fazer um poema. (Gertrude Stein)

Oh, noite, meiga irmã da poesia. (Narcisa Amália)

Os políticos sabem que eu sou poetisa. E que o poeta enfrenta a morte quando vê seu povo oprimido. (Carolina Maria de Jesus)

É uma necessidade conversar com os poetas. E se os poetas morrerem, provocarei os mortos, as flores do mal que estão na minha estante. (Pagu)

O Poeta é um fingidor, finge tão completamente que chega a fingir que é dor a dor que deveras sente (Fernando Pessoa)

Desconfia da tristeza de certos poetas. É uma tristeza profissional e tão suspeita como a exuberante alegria das coristas. (Mario Quintana)

O esplendor da relva só pode mesmo ser percebida pelo poeta. Os outros pisam nela. Um mérito inegável da poesia: ela diz mais e em menor número de palavras que a prosa. (Voltaire)

O poeta é uma mentira que sempre diz a verdade (Jean Cocteau)

Todo homem é poeta quando está apaixonado (Platão)

Os poetas possuem autorização para mentir. (Plinio, o Moço)

Uma noite, quando vires a lua pousada numa amendoeira em flor, pensa por um minuto no poeta cuja tristeza foi tão grande que viajou para um país de onde nunca, nunca se volta. ( A Flauta de Jade)

A beleza é triste pois ela está no lugar de algo que se foi

O tempo perdido não pode ser recuperado. Sua beleza só pode ser vivida como ausência: a beleza dói… Magia é isto: invocar o que se foi, mas que continua a nos habitar. Ou será poesia? (Rubem Alves)

Parem, eu confesso, sou poeta. Cada manhã que nasce me nasce uma rosa na face. Parem, eu confesso, sou poeta. Só meu amor é meu deus, eu sou ou seu profeta (Paulo Leminski)

Não há poema em si, mas em mim ou em ti. (Octavio Paz)

O poeta nunca vive, morre aos pedaços (José Félix)

O que de melhor existe nos grandes poetas de todos os países não é o nacionalismo e sim o universalismo. (Longfellow)

Os poetas não enlouquecem, mas os jogadores de xadrez, sim.
(G.K. Chesterton)

O orgulho dos poetas não passa de defesa; a dúvida atormenta até mesmo os melhores; eles necessitam de nosso testemunho para não se desesperarem. (François Mauriac)

Escrever verso livre é o mesmo que jogar tênis com a rede arriada.
(Robert Frost)

Eu preferia ser vaiado por um bom verso a ser aplaudido por um verso ruim. (Victor Hugo)

Um quadro é um poema sem palavras.

A poesia é a arte de materializar sombras e de dar existência ao nada. (Edmund Burke)

A poesia é uma religião sem esperança. (Jean Cocteau)

A poesia é a irmã mais velha de todas as artes e mãe da maioria delas. (Congreve)

A poesia imortaliza tudo o que há de melhor e de mais belo no mundo. (Shelley)

A mais humilde canção popular, quando imbuída de humanidade, é poesia. (Benedetto Croce)

O sentimento é a poesia da imaginação. (Alphonse de Lamartine)

Tenho apenas duas mãos e o sentimento do mundo…
(Carlos Drummond de Andrade)

Olha de novo: não existem brancos, não existem amarelos, não existem negros: somos todos arco-íris. (Ulisses Tavares)

Quando sentir vontade de sair, não bata a porta… Para quem escancara a sua própria porta, qualquer barulho é ensurdecedor… (Claudia Letti)

A hora do encontro é também despedida a plataforma desta estação, é a vida. (Milton Nascimento / Fernando Brant)

Mastigo vazio todas as manhã e as palavras saem-me dilaceradas pelo quotidiano (José Félix)

Passo duas vezes pelo mesmo caminho e encontro a repetição (José Félix)

Como dizer quem come, se quando nos amamos temos a mesma fome? (Caio Assis Trindade)

Minha alma é feita de luz e trevas; nada de brumas. Ou faz bom tempo ou há temporal; as temperaturas variáveis são de pouca duração. (Victoria Ocampo)

Quanto mais me despedaço, mais fico inteira e serena. (Cecilia Meireles)

Se não houve frutos, valeu a beleza das flores; se não houve flores, valeu a sombra das folhas; se não houve folhas, valeu a intenção da semente. (Henfil)

Fui à rua, olhei pra lua, lembrar, quem dera. (Iuri Storch)

Venham até a borda, ele disse. Eles disseram: Nós temos medo. Venham até a borda, ele insistiu. Eles foram, Ele os empurrou… e eles voaram.
(Guillaume Apollinaire)

O que é vida? É o brilho do vagalume à noite. É a respiração do búfalo no inverno. É a pequena sombra que corre na grama e se perde na direção do por-do-sol. (Crowfoot)

Passeio sorrisos pelas ruas esfaqueado quotidianamente(José Félix)

Caminho flor desabrochando e desfazem-me as pétalas num ato incompleto (José Félix)

Planeio um sorriso com sabor a pétalas percebo um riso e golfadas de sangue (José Félix)

Abrem-se as pétalas num sorriso e caem-me as pétalas fustifadas pelo vento (José Félix)

Desfolho as pétalas nas minhas mãos e suicido-me. (José Félix)

Arranco o amado distante do meu corpo e me liberto da dor da ausência ou deixo que sua luz, tão forte quanto rara, me alimente os sonhos de calor?
(Léa Waider)

Não sou feito de homem Nem de animal. Talvez mineral Buscando um estado menos bruto. (Carlos Mundi)

Debruço-me na sua ausência como se o vazio dotado fosse de ombros largos, cor, calor e pudesse me ouvir ao relento roçar o ponto mais sensível da imensa falta que você faz. (Antonio Carlos Mattos)

Sabe de uma coisa? Lá fora, o por do sol está dourado… (Roberto Godoy)

Um outro dia, embaixo da chuva, esperamos um barco à beira de um lago; a mesma lufada de aniquilamento me atinge, desta vez por felicidade. Assim, às vezes, a infelicidade ou a alegria desabam sobre mim, sem nenhum tumulto posterior, nenhum outro sentimento: estou dissolvido, e não em pedaços: caio, escorro, derreto. Este pensamento levemente tocado, experimentado, tateado (como se tateia a água com pé) pode voltar. Ele nada tem de solene. É exatamente a doçura. ” (Roland Barthes)

Por favor ponha máscaras, ou qualquer um dos seus íntimos disfarces. Quero minha nudez, solitária, porque o baile a cada hora acaba, as fantasias sempre se renovam, e eu pretendo sobrar assim, sem nada… Se alguém, intrépido, insiste em permanecer tal como é, nu ou despojado, ao partir vai me despedaçar com sua ausência. Serei então melancolia e saudade sem tréguas. Enfim, o meu retrato: O negativo irrevelável de quem se mostrou, partiu e me legou a saudade eterna. (Antonio Carlos Mattos)

Tu então não existes? És um jogo, um simulacro, que me oferece enganos como se fossem flores? Tu então és aquele que desaba com meu riso e se fortalece de minhas dores? Tu, afinal és alguém ou és algum dado rolando em gastos tabuleiros…? (Claudia Letti)

Andamos com a corda e a faca nas gargantas e continuamos a sorrir como se nada é. O riso sai aos solavancos num choro contido mas rimo-nos e é o que importa. É uma forma de ficar em silêncio. (José Félix)

Se todo animal inspira ternura, o que houve, então, com os homens? (Guimarães Rosa)

Inútil. Grande arte Essa de estar em brasa gelada E segurar as rédeas… (Carlos Mundi)

E de te amar assim, muito a amiúde, é que um dia de repente hei de morrer de amar mais do que pude (Vinicius de Morais)

Construo novas flores numa nova florescência (José Félix)

A coisa mais triste que há é o desfazer do sorriso (José Félix)

Brilha sempre uma esperança e é isso que me perde (José Félix)

Category: Frases, Home  | Tags:  | Comments off
Author:
• quarta-feira, janeiro 07th, 2015

mensagens

 

13 Passos Para O Bem

A Alma da Mulher

A Amizade É Linda

A Arte de Calar

A Arte de Não Adoecer

A Arte de Viver Junto

A Balsa

A Cadeira

A Carta de Deus

A Cor da Pureza

A Face do Amor

A Folha Amassada

A Grandeza Do Mar

A História do Ernani

A História do Lápis

A Luz de Cada Um

A Mente Humana

A Missão de Cada Sígno

A Música

A Paixão É Como o Mar

A Partir do Proximo Amanhecer

A Pedra

A Última Viagem de Táxi

A Vida Não Me Ensinou

A Vida

A Voz do Silêncio

Abrindo Portas

Acalme Meu Passo

Acordar

Ainda

Anos Vão Passar

Aos Meus Amigos

Apenas Passe Adiante

Aprendendo

As Cores dos Amigos

Atitudes Benditas

Bolinha Brilhante

Bombeiro – Uma Filosofia de Vida

Borboleta..

Caixinha de Promessas

Celebre a Vida

Cicatrizes

Círculo de Ódio

Como Açúcar

Conselho de Mãe

Cristo Imaginário (Infantil)

Deus Te Abençoe

Espíritas

Eu Desisto

Fenomenal

Imagine Um Anjo II 1 2

India Espiritualidade

Karma

Mensagem de Chico Xavier

O Poder do Silêncio

O Tijolo

Obrigado por Teu Tempo

Orquídeas e Pensamentos

Prego e Tábua

Quando Eu Quero Falar com Deus

Quisera

Recebendo Anjos

Relaxa, Escuta e Admira

Rodadeira

Terco

Valsinha – Chico Buarque

Visita do Anjo de Guarda

Category: Home, Mensagens  | Tags:  | Comments off
Author:
• quarta-feira, dezembro 24th, 2014

alberto

Category: Alberto de Oliveira, Poetas  | Tags:  | Comments off
Author:
• quarta-feira, dezembro 24th, 2014

“Deixa-me entrar, – dizia o sol – suspende
A cortina, soabre-te! Preciso
O íris trêmulo ver que o sonho acende
Em seu sereno virginal sorriso.

Dá-me uma fresta só do paraíso
Vedado, se o ser nele inteiro ofende…
E eu, como o eunuco, estúpido, indeciso,
Ver-lhe-ei o rosto que na sombra esplende.”

E, fechando mais, zelosa e firme,
Respondia a janela: “Tem-te, ousado!
Não te deixo passar! Eu, néscia, abri-me!

E esta que dorme, sol, que não diria
Ao ver-te o olhar por trás do cortinado,
E ao ver-se a um tempo desnudada e fria?!”

Category: Alberto de Oliveira, Poetas  | Tags:  | Comments off
Author:
• quarta-feira, dezembro 24th, 2014

“Quando a valsa acabou, veio à janela,
Sentou-se. O leque abriu. Sorria e arfava,
Eu, viração da noite, a essa hora entrava
E estaquei, vendo-a decotada e bela.
Eram os ombros, era a espádua, aquela
Carne rosada um mimo! A arder na lava
De improvisa paixão, eu, que a beijava,
Hauri sequiosa toda a essência dela!

Deixei-a, porque a vi mais tarde, oh! ciúme!
Sair velada da mantilha. A esteira
Sigo, até que a perdi, de seu perfume.

E agora, que se foi, lembrando-a ainda,
Sinto que à luz do luar nas folhas, cheira
Este ar da noite àquela espádua linda!”

Category: Alberto de Oliveira, Poetas  | Tags:  | Comments off
Author:
• quarta-feira, dezembro 24th, 2014

Esta de áureos relevos, trabalhada
De divas mãos, brilhante copa, um dia,
Já de aos deuses servir como cansada,
Vinda do Olimpo, a um novo deus servia.

Era o poeta de Teos que a suspendia
Então, e, ora repleta ora esvazada,
A taça amiga aos dedos seus tinia,
Toda de roxas pétalas colmada.

Depois… Mas o lavor da taça admira,
Toca-a, e do ouvido aproximando-a, às bordas
Finas hás de lhe ouvir, canora e doce,

Ignota voz, qual se da antiga lira
Fosse a encantada música das cordas,
Qual se essa voz de Anacreonte fosse.

Category: Alberto de Oliveira, Poetas  | Tags:  | Comments off
Author:
• quarta-feira, dezembro 24th, 2014

alexei

Category: Alexei Bueno, Poetas  | Tags:  | Comments off
Author:
• quarta-feira, dezembro 24th, 2014

Os diamantes são indestrutíveis?
Mais é meu amor.

O mar é imenso?
Meu amor é maior,
mais belo sem ornamentos
do que um campo de flores.

Mais triste do que a morte,
mais desesperançado
do que a onda batendo no rochedo,
mais tenaz que o rochedo.

Ama e nem sabe mais o que ama.

Category: Alexei Bueno, Poetas  | Tags:  | Comments off