Archive for the Category ◊ Oriza Martins ◊

Author:
• segunda-feira, dezembro 22nd, 2014

rosa081

Category: Oriza Martins, Poetas/Poetisas Consagrados  | Tags:  | Comments off
Author:
• segunda-feira, dezembro 22nd, 2014

Meu ser é um colibri
Agora aqui, depois ali,
Beijando, sugando flores…
A vida – mágica estrada,
Totalmente ladeada
Por sensações multicores.
Sentimento em cores alvas
Tem a doçura das malvas,
Da pluma, a suavidade…
Reflete céu em bonança
Verde-água da esperança,
Azul-sonho em claridade…

Sentimento em fortes tons,
Escuros, plúmbeos, marrons,
É mesmo um caso sério…
Vai me envolvendo em magias,
Imergindo em fantasias,
Labirintos de mistério…
Um sentir desesperado
Tem o amarelo dourado
Das cadentes outonais…
É fruto da ansiedade,
Mas vale a pena – em verdade,
Compensa todos meus ais…
Os sentimentos ardentes
Remontam às cores quentes,
Rubras, vermelhas, carmim…
Lembram lavas em torrentes,
Desejos incandescentes
Que explodem dentro de mim…
São modos mil de querer,
Prazeres de enlouquecer,
Inocentes, vãos, fatais…
Cada qual com seus olores,
Tantas delícias, sabores,
Que nem sei qual quero mais…
E, se vivemos pra amar,
Doidos mares navegar,
Ao sabor das emoções,
Vou meu destino seguindo,
Lindamente usufruindo
Um arco-íris de paixões!…

Category: Oriza Martins, Poetas/Poetisas Consagrados  | Tags:  | Comments off
Author:
• segunda-feira, dezembro 22nd, 2014

Ciúme e amor… convivência complicada,
Que nos deixa com a vida transtornada,
E na alma, marcas de decepção.
Se um pouquinho de ciúme aquece a chama
O excesso certamente esparrama
A discórdia, o desamor, desunião.

É o amor sinal maior de altruísmo,
Mas o ciúme exacerba o egoísmo
Que viceja em corações atormentados.
Se o amor se baseia em confiança,
O ciúme interrompe a bonança
Que faz felizes os seres enamorados.

Diz o ditado pra se dormir de olho aberto,
Especialmente quando não se está por perto,
E que se deve confiar… desconfiando…
Mas para a dor do ciúme espantar,
Se desejarmos realmente amor provar,
É preferível confiar-se… confiando!

Category: Oriza Martins, Poetas/Poetisas Consagrados  | Tags:  | Comments off
Author:
• segunda-feira, dezembro 22nd, 2014

No corpo, mormente, expomos
As marcas dos ferimentos,
Dos danos, fatais momentos,
Que, às vezes, vivenciamos.
Os machucados reais
Ou eventos inocentes,
Feridas inconseqüentes,
Sofrendo ou não, relembramos.

Mas existe um tipo amargo
De marcas que vão ao fundo,
São as tristezas do mundo,
Injustiças que passamos,
São amores que perdemos
Ou nódoas da consciência
Quando nós, por negligência,
A outrem prejudicamos.

Nos caminhos da existência,
Estas mais duras feridas
Calcadas em nossas vidas,
Que nos abalam a calma,
Formam tensas provações,
Calam mais forte na gente,
São os algozes da mente,
São cicatrizes da alma…

As cicatrizes do corpo
Mais fáceis de controlar,
São passíveis de operar
Ou de tê-las maquiadas…
Porém dores metafísicas
Difíceis de disfarçar,
Teimam em atormentar
As almas fragilizadas…

Essas mágoas do espírito,
De um sofrer inconfundível,
Nem sempre me foi possível
Extirpar pelas raízes…
Então sigo meu caminho,
Longa estrada a percorrer,
Aprendendo a conviver
Com as minhas cicatrizes…

Category: Oriza Martins, Poetas/Poetisas Consagrados  | Tags:  | Comments off
Author:
• segunda-feira, dezembro 22nd, 2014

Quero-te na ânsia do amor maior
Quero teu perfume a meu derredor,
Teu peito inflamado a me abraçar…
Nas horas de angústia quero te ouvir,
E quando é ventura, juntos a sorrir,
Escutar teu canto a me embalar.

É um querer sublime esse meu desejo,
Além dos sentidos, sem pudor, sem pejo,
Alça longos vôos, esparge ao infinito.
Simbiose funda de alma e matéria,
Caso complicado, brincadeira séria,
Que faz no meu mundo tudo mais bonito…

Caso complicado… pois tanto querer
Gera em boa dose um misto de sofrer,
Por amar-te tanto, tão profundo assim…
Se tu me deixares, se eu perder-te um dia
E não mais gozar tua companhia,
Sofro por pensar o que será de mim…

Category: Oriza Martins, Poetas/Poetisas Consagrados  | Tags:  | Comments off
Author:
• segunda-feira, dezembro 22nd, 2014

Quantos secretos desejos
Cruzam-se por nosso olhar…
É uma paixão incontida,
Clandestina, proibida,
Difícil de disfarçar…

O encontro de nossas vidas
Tardou a acontecer…
Resultou em sentimentos
Mergulhados em lamentos,
Razão do meu padecer.

Eu sinto que tu me amas,
Sabes o bem que te quero…
Mas o ingrato destino
Transformou em desatino
Este amor forte, sincero…
Motivos mil nos separam,
Sufocam quaisquer anseios…
Em nossos mundos distintos
Sublimamos os instintos,
Nos amando em devaneios…

São beijos emocionantes,
Trocados em pensamento,
Horas de magia pura,
Carícias cuja ternura
Nos elevam ao firmamento.
Mas, sendo um dom dos amantes,
Manter firme a esperança,
Que o tempo vai conseguir
Nossas vidas reunir,
Tenhamos fé e confiança…

Haveremos de provar
As delícias deste fruto,
Por enquanto, proibido.
Nosso amor será total,
E a existência, afinal,
Para nós, fará sentido.

Category: Oriza Martins, Poetas/Poetisas Consagrados  | Tags:  | Comments off
Author:
• segunda-feira, dezembro 22nd, 2014

Qual seria o melhor modo de amar,
De que maneira cultivar as emoções?…
Sob o cansaço de minhas desilusões,
Uma receita de amor eu fui buscar.

Em que consiste o amor certo, ideal?…
Na poesia as respostas procurei,
Meus baús de antigos casos revirei,
Pra concluir que deve ser essencial,

Infinito, muito forte – em grandeza -,
Impecável, raro e doce – em pureza-,
Exemplar, baseado em lealdade,

Gerar desejo, eterna fonte de paixão,
Nau serena em mares de compreensão,
A flutuar em ondas de felicidade…

Category: Oriza Martins, Poetas/Poetisas Consagrados  | Tags:  | Comments off