Archive for the Category ◊ David Roballo ◊

Author:
• quarta-feira, dezembro 24th, 2014

davi

Category: David Roballo, Home, Poetas  | Tags:  | Comments off
Author:
• quarta-feira, dezembro 24th, 2014

Mulheres!!!
Deusas disfarçadas na fragilidade.
Com apenas um olhar
São capazes de destruir
E reconstruir a humanidade.

Deve ser por isso
Que os homens recalcados
As prenderam em um livro
Como inventoras
Do pecado.

Desde então está guardada a luz
De todas as estrelas e sois
Longe paira verdadeira felicidade
Que a paz conduz nos braços de
Seus olhos radiantes cheios de vida…

Tantos anos no porão
Da cozinha as fizeram
Diminuídas, escabeladas
Desacreditadas da própria
Divindade inata…

É assim, que os machos as querem
Subjugadas, medrosas e submissas
A uma ordem, a uma ilusão desenhada
Para contê-las presas
Na própria claridade.

Evas contemporâneas;
Mães de cains e abéis desenfreados
Vassalas de adães desmiolados…
Já é hora de iluminar o mundo
Com seus predicados…

Category: David Roballo, Home, Poetas  | Tags:  | Comments off
Author:
• quarta-feira, dezembro 24th, 2014

Vem já aurora cor de rosa
Desfraldar a incansável chama
Astro dispersador de meus medos;
Ampliador de meus olhares;
A contemplarem as cores
Que tingem o horizonte.

Venha aquecer-me luz de minha esperança
Venha acariciar-me as madeixas
E os sonhos que brotam de minha insanidade…
Venha dar-me teus raios, que dás a todos
Sem importar a natureza.

Venha debruçar-se em meu cenho calejado
Senhor incondicional e benévolo
Que repartes os dias que alimentam o tempo
Com a noite, que me açoita com mil tormentos.

Venha imprescindível flamejante
Enxugar-me as lágrimas
Pelo que o tempo comeu distante.

Venha, venha aquecer com tuas centelhas…
Este irmão de Diógenes…

Venha gênio sol, resgatar-me da miragem humana…

Category: David Roballo, Home, Poetas  | Tags:  | Comments off
Author:
• quarta-feira, dezembro 24th, 2014

Noite dama suprema das estrelas
Embebida de claridade em teu longo vestido
Que veste quando o sol se cansa dos humanos.
Ainda bem que existes, princesa da escuridão,
Mãe dos poetas, bálsamo de ilusão.

Noite fiel companheira e silêncio
Respeitosa inclina-te ao som das cachoeiras
E ao vôo da coruja sentinela;
Contemplo-te de meu átrio risonho
Ou do encosto de minha janela.

Noite avatar de minha inspiração
Em teus cabelos negros mergulho
Num mar de paz e contemplação;
A ti espero, a ti quero
Para escrever com alma e coração.

Category: David Roballo, Home, Poetas  | Tags:  | Comments off