Browsed by
Categoria: Contos de Romance

A lápide

A lápide

Você vem arrastando os pés na relva, sem muita vontade, sem muita coragem. Mas precisa desse ritual – seu coração o exige – muito mais do que você é capaz de admitir. Posso vê-lo de meu escaninho no arvoredo. Disfarçada estou nas silhuetas de negros ciprestes. Você se ajoelha diante do túmulo mil vezes renegado. A brisa lhe alvoroça os cabelos claros como os meus dedos teriam feito. – Olá, meu amor. Ah, sim, diga essas palavras que eu esperei…

Read More Read More

Desejos da Alcova

Desejos da Alcova

Doutor, há tempos és meu terapeuta e sabes que não há na cidade quem levante suspeita sobre minha fidelidade, honestidade e retidão de caráter. Há doze anos sou casado com Amélia e por ela tenho vivido deste então. A consulta de hoje é para que eu lhe conte o que vivi nestes doze anos e, principalmente, nos últimos meses e dias. Não posso me furtar o direito de confessar que a monotonia do enlace me vinha perturbando. Amélia sempre foi…

Read More Read More

Epitáfio

Epitáfio

A tarde é vermelha, pinta os campos e o lago de dourado e aquece o seu rosto que eu encontro a espreitar o meu. Tenho um espelho nas mãos. Encaro-me nele, investigo as rugas que já se insinuam. Mas não você; tudo o que vê em mim é jovem e fresco. Detrás de mim, sussurra-me ao ouvido: – Você é tão bela. Belo é ter seus braços sobre meus ombros, agasalho humano, e seus dedos nos meus cabelos, o melhor…

Read More Read More

Ninguém Manda Nos Sentimentos

Ninguém Manda Nos Sentimentos

(Continuação de Na Longa Caminhada Da Vida – Visão do outro lada da história. Vitória, namorada de Edson) “Querido diário, talvez eu tenha sido dura demais. Ter feito o que fiz com o Gabriel foi um erro. Ninguém manda nos sentimentos e, se eu mandasse nos meus, preferiria não sentir o que estou sentindo.” 00h. Minha cabeça não parava de girar, como se eu fosse a maior culpada de toda essa história, a história em que, na realidade, fui a…

Read More Read More

O beijo dela

O beijo dela

O beijo dela. Fui pego de surpresa. Primeiro o nome. Começava num rosnado e terminava em melodia. Rrr, vibrava, sotaque italiano. Depois, duas eles bem molhadas. Rafaella. E essa coisa interessante que aconteceu primeiro nos meus ouvidos foi parar dentro das minhas calças. Ela viu o volume. Eu falei uma besteira. Levei um tapa no rosto, daqueles de arder na alma, e então o beijo. O beijo dela. Em um momento eu era um Apolo que ofuscava o brilho dos…

Read More Read More

O jogo da meia-noite

O jogo da meia-noite

Meia-noite. O jogo acontecia quando eles voltavam sóbrios, ansiosos por serem só dois amantes sob um dossel, sem multidão. Diante da penteadeira ela limpava o rouge, o rímel, a pinta artificial na bochecha esquerda que cobria a pinta real cor de canela. Ele, na cama, esperava sob os lençóis. Vinha limpa e indecente, meias de liga, espartilho negro, nem parecia uma veste escravocrata do corpo – era a desenvoltura de gata no cio que o desmentia. Tinha na mão a…

Read More Read More

O mar

O mar

O mar refletia o azul do céu. As águas se moviam formando ondas que vinham chocar-se com os corais. O som era relaxante apesar de se misturar com a conversa das pessoas. Júlio estava deitado na praia. Os olhos fechados. Sua mente era um branco total. Júlio queria ser feliz. Mas esse não era um pensamento, era uma aspiração. A felicidade verdadeira andava por aí, mas ele não encontrava porque buscava algo que não era ela. Depois que uma onda…

Read More Read More

O moço do saxofone

O moço do saxofone

Eu era chofer de caminhão e ganhava uma nota alta com um cara que fazia contrabando. Até hoje não entendo direito por que fui parar na pensão da tal madame, uma polaca que quando moça fazia a vida e depois que ficou velha inventou de abrir aquele frege-mosca. Foi o que me contou o James, um tipo que engolia giletes e que foi o meu companheiro de mesa nos dias em que trancei por lá. Tinha os pensionistas e tinha…

Read More Read More

O Pescador

O Pescador

Era verão quando ela foi embora, e talvez por uma reação puramente psicológica ele passou a gostar do inverno e trocou as noites quentes e estreladas do verão pelas longas e frias do inverno, agora todas as tardes caminhava pela beira da praia macambúzio. Como a vilazinha era pequena e todos se conheciam, aquela sua mudança repentina causou estranheza em todos,embora não fosse um exemplo de popularidade, alterou a rotina diária do lugar despertando a atenção de todos. E os…

Read More Read More

Reencontro

Reencontro

Matheus chegou à festa e logo se encontrou com seus amigos, Hugo e Pedro, a boate não estava muito cheia, mas estava mais escura que das primeiras vezes que ele tinha vindo, ele esperava dessa vez encontrar alguém interessante que fizesse esquecer o amor antigo, se sentia mal, afinal a culpa dele não estar com ela era dele mesmo, ela não havia ligado pra ele depois da ultimo email tão pouco ele pra ela, já havia se passado muito tempo…

Read More Read More