Browsed by
Categoria: Contos de Ficção

Aconteceu no Trem

Aconteceu no Trem

Meu sonho sempre foi um dia poder sentir a fragrância de uma só noite às margens do mar Tirreno, banhar-me nas águas mediterrâneas desse mar. Mergulhar dentro d’água, da noite e banhar-me na luz pálida do luar. No verão de 1994, eu peguei um trem que liga Roma a todo o Norte da Itália, parando em diferentes cidades e vilas do pitoresco interior italiano. Eu comprei o bilhete até a estação de Viareggio-Lucca na toscana, quando comprei o bilhete pedi…

Read More Read More

Adão, um Anão

Adão, um Anão

A noite já estava entrando em trabalho de parto quando pela estrada enlameada vinham os dois amigos: Tonhão e Malaquias, o Gambá. O primeiro mais próximo do céu. O outro mais próximo da terra. Mas tais diferenças em suas estaturas, ao contrário do que possa parecer, mais os uniam. Eram amigos de todas as horas: boas e más. Amigos para o bem ou para o mal feito. Amigos para qualquer coisa. Amigos de copo e do copo. Copo sempre cheio…

Read More Read More

A Espada de Cristal

A Espada de Cristal

De um só golpe matou dois homens selvagens, grandes e peludos como todos os das tribos dos mares quentes. Ela desferira o golpe com força demasiada, se esquecendo que acabara de colocar uma lâmina nova em seu bastão. Naquele mundo os metais oxidavam muito rápido e as lâminas eram quase descartáveis. Sua melhor amiga, SINIEM, acabava de chegar ofegante e gritando. – KILA! Tudo bem!? Estes foram os últimos? ———– – Sim. – Respondeu a guerreira, ainda impressionada com a…

Read More Read More

A Faca da Ximinha do Balão

A Faca da Ximinha do Balão

– Deixa de mania de elegância, menina, só porque esse tal do Martins Guimarães te deu troco no outro dia aí no beco quando tu lhe perguntou as hora. Ele falou só para mostrar tinha relógio no pulso, não foi porque visse agrado em ti. Ele tem mulher e filha candengue, Domingas, e tem muito em que pensar. Só quis mesmo foi que tu visse o relógio lhe deu o doutor e até já não faz tiquetaque nem nada. O…

Read More Read More

Amores de café

Amores de café

Se tiveres um problema que não consegues resolver, em que a solução não te é imaginável, a resposta estará sempre ao alcance da tua mão. Dependente de um pequeno esforço. Foi o que um dia li, algures. Mas qual seria esta resposta que tinha tanto de simples como de milagrosa? Bastar-te-ia pegares num qualquer livro e abri-lo ao acaso. Como que lançando nos dados o teu destino, a tua vida, as tuas decisões mais simples (não se entenda as mais…

Read More Read More

Os Anjos Gordos

Os Anjos Gordos

José Mourão, pseudónimo de um funcionário público, actualmente “na casa dos cinquenta anos”. Deste mesmo autor publicámos no nº 5 da Ficções um outro conto, O velho, o cão e as cabras, que foi também a sua estreia literária. Os anjos gordos confirmam as qualidades que aí revelava. “Os Anjos Gordos” Estava eu metido dentro do meu caramanchão de pedras velhas e arbustos aromáticos quando os meus três velhos criados, mais amigos de juventude do que outra coisa, me anunciaram,…

Read More Read More

A convergir para zero

A convergir para zero

“Tanta gente, tantos enredos até ficarmos para sempre quedos! Para sempre? Não! Que outros (mínimos) seres já trabalham na nossa remoção.” Alexandre O’Neill, De ombro na ombreira De tudo o que se dissera e não dissera, pouco restava. “Pouco” era aliás, de todas as palavras que ali se acotovelavam, a que mais se ouvia. Todos toleravam os sopros de todos os outros, de insonoros que eram, e a mudez, pactuada sobre sangue de ninguém, não era capaz de mais que…

Read More Read More

A História do Golfinho e do Tubarão

A História do Golfinho e do Tubarão

“Mãe, porque somos diferentes?” perguntou um dia um golfinho à sua mãe que o seguia com ternura pelos corredores do oceano. “Filho, nós somos mamíferos, sabes? Respiramos o oxigénio do ar, não da água, assim como os homens e…” “Como as garças?” Interrompeu o golfinho. “Sim, também, mas..” Distraído em seguir um cardume de peixes, o golfinho já não prestou a atenção à explicação. Não se importava. Eram lindas as águas. Passavam como rosários com contas de cristal. Como sabia…

Read More Read More

A Memória Suspensa

A Memória Suspensa

José Carlos de Almeida, 42 anos, licenciado em Filosofia e em Direito, actualmente professor numa Escola Secundária. Publicou dois manuais de filosofia, uma banda desenhada em co-autoria, um volume de poesia (Metalonímias, Ed. Limiar, Porto), Prémio de Revelação da APE.O conto que publicamos foi enviado à Ficções como proposta de colaboração. A Memória Suspensa De repente, começou a temer a morte. À medida que, sem querer, lhe iam ocorrendo lembranças passadas há muito tempo, temeu que se tratasse duma espécie…

Read More Read More

A tortura pela esperança (Tradução de Manuel Resende)

A tortura pela esperança (Tradução de Manuel Resende)

Ao Senhor Edouard Nieter “Oh! Uma voz, uma voz, para gritar!…” Edgar Poe – O Poço e o Pêndulo Sob as criptas do Santo Ofício de Saragoça, ao cair de uma noite antiga, venerando Pedro Arbuez de Espila – sexto prior dos dominicanos de Segóvia, terceiro Grande Inquisidor de Espanha -, seguido de um frade redentor (mestre torturador) e precedido de dois familiares da Inquisição, os quais seguravam duas candeias, descia para um calabouço perdido. Rangeu a fechadura de uma…

Read More Read More